A GNRE (Guia Nacional de Tributos Estadual), passou a ser uma realidade para muitas empresas neste início de 2016, que já tiveram que se adaptar a obrigatoriedade da informação da Partilha do ICMS na NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) .

Entretanto, todo processo para conseguir gerar a guia por meio do site, é bastante custoso e demorado. Contudo, essencial, visto que, a NF-e que possui Partilha de ICMS, só pode trafegar com o acompanhamento de tal guia. Por isso, um caminho para essas empresas, tem sido a automatização, ou seja, a emissão da guia por meio de webservice, também disponibilizado pela Sefaz.

O que muitos não se atentam é que, com a automatização na emissão da guia, além de conseguir maior agilidade, existe também uma redução no risco de recolhimento de imposto errado, pois, no processo manual, no qual o operador tem que entrar no site e digitar novamente os dados da NF-e, pode haver erro e consequentemente, erro também no recolhimento do imposto.

Para remediar problemas como esse, certamente a empresa terá um esforço muito grande em, entrar em contato com o fisco e solicitar estorno, ou crédito futuro, do pagamento indevido.

Neste sentido, os sistemas ERPs, podem ajudar muito as empresas a se adequarem a esta nova realidade que o fisco brasileiro tem imposto, implementando uma integração automatizada com os webservices do fisco.

Quer saber um pouco mais a respeito? Então participe do  Webinar: GNRE uma nova obrigação acessória para quem trabalha com NF-e e CT-e  .