Todos os documentos eletrônicos da SEFAZ: NFC-e, NF-e, CT-e, etc... possuem características e processos, muitos semelhantes entre si, que visam atender e cercar todos os possíveis cenários dos usuários. Dentre essas características, uma das mais importantes e que, em diversas situações, não é tratada com a devida atenção, é a Contingência Off-Line.

Em muitos casos, os desenvolvedores de sistemas (ERPs e afins) não dão a devida atenção a contingência off-line, deixando para desenvolvê-la somente no momento em que é necessário, ou seja, na correria.

Neste cenário, podemos afirmar com muita certeza que a NFC-e é o documento fiscal que contém a contingência off-line de maior importância, dado o grau de sua utilização, pois seu uso nem sempre ocorre por algum tipo de falha ou instabilidade na rede e sim, para obter uma resposta mais rápida garantindo um fluxo de caixa mais ágil. Este cenário se torna ainda mais comum em épocas de festas, como dia das mães ou Natal, por exemplo.

Foi por isto, acompanhando esta tendência, que a SEFAZ liberou um Manual de Especificação da Contingência OFF-LINE 2.0. Neste manual, estão descrito todas as regras e boas práticas da emissão em contingência, visando esclarecer aos emitentes o motivo da existência da contingência off-line, quando deve ser utilizada e quais os impactos que isto pode trazer.(...) Continue lendo.