Em meio a um final de ano tão turbulento com diversas mudanças nos documentos eletrônicos devido a implantação do Cálculo da Partilha do ICMS , inclusão do Fundo de Combate a Pobreza e também o novo CEST (Código de Especificação da Substituição Tributária) , os desenvolvedores de software precisavam mesmo de "presente de Natal".

O temido Bloco K, que vem sendo discutido há bastante tempo e tinha prazo limite janeiro de 2016 , foi prorrogado para janeiro de 2017 , ou seja, um fôlego de 1 ano para que mais essa obrigação seja cumprida. Esta prorrogação se deu por meio da publicação do AJUSTE SINIEF 13 , de 11 de dezembro de 2015. 

I - 1º de janeiro de 2017:

a) para os estabelecimentos industriais classificados nas divisões 10 a 32 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) pertencentes a empresa com faturamento anual igual ou superior a R$300.000.000,00; b) para os estabelecimentos industriais de empresa habilitada ao Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (Recof) ou a outro regime alternativo a este;

II - 1º de janeiro de 2018, para

os estabelecimentos industriais classificados nas divisões 10 a 32 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) pertencentes a empresa com faturamento anual igual ou superior a R$78.000.000,00;

III - 1º de janeiro de 2019 ,para:

os demais estabelecimentos industriais; os estabelecimentos atacadistas classificados nos grupos 462 a 469 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) e os estabelecimentos equiparados a industrial.".

Para quem já começou a trabalhar com o Bloco K, sabe que o processo de apuração de resultado não é tão simples, principalmente para alguns ramos de atividades específicos, desta forma, um ano de prorrogação, apesar de parecer um tempo bem estendido, não é tanto assim quando colocamos na balança que os demais itens citados acima também devem ser implementados a partir de janeiro de 2016.