Recentemente, uma das principais soluções Open Source em Delphi para emissão de documentos fiscais eletrônicos, o Projeto ACBr, anunciou, no fórum oficial, o fim do suporte ao Delphi 7 e à outras versões que não suportam Unicode, a partir de agosto de 2016. ( Clique aqui para ler o tópico de anúncio na íntegra )

Segundo os administradores do projeto, manter as soluções compatíveis com uma versão tão antiga estava se tornando caro e inviável, portanto, quaisquer bugs e problemas específicos destas versões deixarão de ser corrigidos , e não haverá qualquer garantia de que os componentes continuem funcionando nesses cenários.

Como principal alternativa, os administradores sugerem aos usuários que migrem seus softwares para uma nova versão do Delphi, desaconselhando a criação de um fork específico ou de qualquer esforço adicional do próprio desenvolvedor para manter os componentes compatíveis com o Delphi 7.

 

O Bom e Velho Delphi 7

O Delphi 7 é uma versão muito aclamada da IDE, onde os desenvolvedores encontraram estabilidade e recursos para desenvolver suas aplicações comerciais.

Lançada em 2002, a versão 7 do Delphi tem atualmente 14 anos de existência e ainda é muito utilizada, pela grande quantidade de componentes disponíveis, pela estabilidade e, principalmente, por conter muitas aplicações de grande porte, cuja migração seria cara e extremamente trabalhosa.

Saudosismo à parte, não se pode negar que a IDE está ultrapassada. Embora a estabilidade  seja bastante confortável, na área da engenharia de softwares, 14 anos é muito tempo.
 

As Dificuldades da Migração

O processo ideal para manter um software sempre atualizado em relação às tecnologias disponíveis para o desenvolvedor, é migrar periodicamente para versões próximas. A realidade, porém, é bem diferente .

Mantido e atualizado pela Embarcadero , o Delphi recebe duas novas versões por ano , e cada uma delas requer investimento  em dinheiro (pela licença de uso) e de tempo (para migrar a aplicação) por parte do desenvolvedor.

Um salto do Delphi 7 para o Delphi 10 Seattle em uma aplicação de grande complexidade, repleta de componentes (muitos deles compatíveis apenas com o Delphi 7) e módulos integrados, seria extremamente trabalhoso . Demandaria muito tempo e esforço, pois praticamente todos os recursos precisariam ser substituídos, ao ponto de, em alguns casos, valer a pena descartar o projeto e criar um novo. 

Tendo em vista que os componentes desse projeto Open Source são para emissão de documentos fiscais, manter uma versão antiga e desatualizada está fora de cogitação . Por outro lado, dependendo do tamanho do software, é praticamente impossível migrar a tempo para uma nova versão do Delphi. Uma terceira opção, que seria a criação coletiva de um fork  compatível com Delphi 7, demandaria um esforço ainda mais extremo para análise e correção de bugs, já que os fundadores do ACBr e os principais membros da implementação do componente já afirmaram que não irão contribuir  para o desenvolvimento deste fork .

 

Riscos do Open Source

Aos que ainda utilizam este Componente no Delphi 7, qualquer grande alteração do fisco pode significar o fim do funcionamento dos módulos de emissão de NFe, NFCe, NFSe, CTe, MDFe ou SAT .

Sendo um software gratuito, os usuários não possuem embasamento contratual ou qualquer argumento coerente para exigir a manutenção da compatibilidade com o Delphi 7. Portanto, resta acatar a decisão da equipe administrativa e "se virar" para migrar a tempo, ou utilizar uma solução particular com garantias de suporte técnico e compatibilidade.

Alguns desenvolvedores não conhecem as possibilidades de comercialização de produtos da Tecnospeed, acreditando serem caras. Entretanto, te convido a conhecer melhor nossas políticas comerciais : Temos vários modelos de negócio, pensados cuidadosamente para atender todo perfil de desenvolvedor, e soluções compatíveis com todas as versões do Delphi e muitas outras linguagens de programação.