O departamento de desenvolvimento da TecnoSpeed participou este mês da 8ª edição da The Developers Conference , evento que juntou pessoas de todo o país para discutir os problemas da área de desenvolvimento de software, e as tendências de processos, ferramentas e tecnologia que estão surgindo no mercado.

A primeira impressão, ao chegar no evento, já foi a melhor possível. Apesar do frio, muitas pessoas aguardavam na entrada. O evento em si, realizado na Universidade Anhembi-Morumbi, foi muito bem organizado e contava com estandes de nomes conhecidos dos desenvolvedores, como StackOverflow, IBM e Microsoft.

O dia foi corrido e cheio de palestras, portanto optamos por focar nas trilhas de Análise de Negócios e Management 3.0, para aproveitar o melhor possível do evento.

Na trilha de Análise de Negócios, Paulo Henrique , Product Owner da TecnoSpeed destacou os seguintes pontos:

  • O que ficou bastante claro e foi destacado em mais de uma palestra, é o fato do Analista de Negócio sempre caminhar muito próximo às equipes de desenvolvimento, buscando sempre feedbacks dos mesmos. Com isso ele consegue um relacionamento mais próximo e cria um ciclo de confiança entre equipe e P.O.

  • O Analista de Negócios nunca pode atuar como um Analista de Requisitos. O exemplo da diferença entre os dois papéis foi dado da seguinte forma: Uma nova funcionalidade deve ser implementada em meu sistema, pois ela é obrigatória este ano e sua não implementação acarretará em multa de R$50.000,00 para minha empresa. Porém, a implementação causará impacto em todos os clientes, causando problemas e desligamentos de clientes que podem chegar a R$200.000,00 reais. Neste caso o Analista de Requisitos diria: “ vamos implementar SIM, pois é uma funcionalidade obrigatória este ano ”. Já o Analista de Negócios responderia: “ NÃO vamos implementar pois esta obrigatoriedade só é válida por este ano e seu custo será muito superior a seu retorno ”. Ou seja, o Analista de Negócios tem toda a visão de mercado, toda a visão da empresa em si, ele deve tomar as decisões baseado em diversos pontos e cenários e deve assumir riscos.

  • O papel de Analista de Negócio é muito importante em ambientes ágeis, sua tomada de decisão, baseada em análises de cenários, se torna crucial para manter o processo ágil e sustentável. Porém, esse papel deve ser aceito pela diretoria da empresa e eles devem respeitar suas decisões e confiar nos caminhos tomados.

Na Trilha “Management 3.0”, Fábio Moribe , um de nossos Scrum Masters, gostou muito das palestras:

  • A trilha começou muito divertida, com o assunto: “Martie, um monstro de 6 olhos que te ajuda a fazer uma gestão melhor!”, onde os palestrantes Manoel Pimentel Medeiras e André Faria Gomes apresentaram e explicaram o significado da palavra “Monstro”.

  • A palestra seguinte, teve como assunto um caso de uso de uma empresa que não possui gerentes, onde foi explicado como eles promovem e organizam a comunicação de forma efetiva.

  • Ao final da tarde outra palestra que chamou bastante a atenção foi a do palestrante Matheus Haddad. Ele falou sobre o tema: “Como motivar indivíduos”, destacando duas técnicas: DICS (Dominancia, Influência, Conformidade e eStabilidade) e Moving Motivators, ambas utilizadas para identificar o motivador e o perfil pessoal de cada indivíduo.

  • A última palestra que mais chamou a atenção foi sobre o assunto: “Feedback em vez de avaliação de desempenho”, onde o palestrante falou sobre a técnica: Feedback Canvas e Hapiness Canvas, técnicas utilizadas para a equipe dar ótimos feedbacks de uma maneira bastante descontraída e com ótimos resultados.

  • A cada duas palestras houveram sessões de debates, onde palestrantes discutiam diversos temas sobre Management 3.0, sempre com a participação de todos os presentes. O debate mais interessante foi sobre o assunto: “Qual é a bala de prata para a produtividade?”, onde todos concordaram que na verdade não existe uma bala de prata para o aumento da produtividade. Na mesma discussão foi levantado que a produtividade é algo que não é simples de ser medida e que varia de empresa para empresa.

Acompanhando a trilha Stadium, que reunia as principais palestras do dia estava nosso gerente de desenvolvimento, Rodrigo Ramalho . Ele destacou os seguintes pontos da trilha:

  • Na palestra de abertura Joel Spolski, ex Product Manager do Microsoft Excel e CEO da Stack Overflow falou deu uma aula sobre motivação, em um bate papo sobre as coisas que desenvolvedores de software mais valorizam.

  • Na palestra da trilha de SOA, aprendemos sobre o padrão de projeto CircuitBreaker e como ele está sendo utilizado para gerenciar a alta demanda de requisições em servidores na nuvem.

  • Na trilha de Management 3.0 aprendemos sobre diversos modelos de Canvas que podem ajudar a melhorar a comunicação dentro de nosso departamento de desenvolvimento. Entre eles, um destaque foi o simples mas eficaz User Story Canvas, para a descrição de requisitos no formato de User Stories.

  • A trilha de Cloud Computing apresentou uma palestra sobre como escalar a Amazon AWS até 10 milhões de usuários ou mais, uma assunto interessante e bastante esclarecedor, principalmente com relação aos recursos oferecidos pela Amazon aos desenvolvedores de software.

O evento foi extremamente proveitoso para a TecnoSpeed, nele pudemos aprimorar nossos conhecimentos, discutir assuntos relevantes com pessoas que passam por problemas parecidos com os nossos e voltar para Maringá com a sensação de que podemos aplicar muito do que foi aprendido em nosso dia a dia.

Com certeza participaremos das próximas edições, e gostaríamos de encontrar nossos clientes e parceiros por lá também.