Rompendo a casa de 3,3 bilhões de Notas Fiscais do Consumidor Eletrônicas (NFC-e) emitidas, o projeto está sendo implantado em 21 estados. Os dados são de estimativas das Secretarias da Fazenda que vem acompanhando os números do projeto em cada uma das unidades federativas.

Sobre o projeto

Com o objetivo de reduzir o custo das empresas, garantir a transparência e a facilidade de acesso do consumidor, o projeto NFC-e começou a ser implantado em 2014 e tem ganhado força com a adesão voluntária de quase todos estados brasileiros. A partir da adesão voluntária ao projeto de iniciativa da Secretaria da Fazenda os estados possuem calendários de obrigatoriedade próprios com a inclusão gradativa de grupos de contribuintes específicos, até que todos os interessados tenham condições e adiram à emissão de NFC-e.

A NFC-e visa substituir o Cupom Fiscal que utiliza impressoras fiscais (ECF) para sua emissão e mantém um alto custo operacional por hardware necessário às empresas. Com a NFC-e podem ser utilizadas impressoras não fiscais, diminuindo assim o custo de hardware e já que as notas são enviadas diretamente às Secretarias de Fazenda (SEFAZ), os consumidores podem consultá-las de forma facilitada através do QR-CODE (outro recurso implementado com o projeto).

Estatísticas

  • Há cerca de 219 mil emissores atualmente, sendo cadastrados cerca de 13 mil novos emissores a cada mês;

  • Mais de 330 milhões de NFC-e’s emitidas por mês;

  • O estado do Paraná é o maior emitente, com cerca de 25% do volume total de emissão - 83 milhões de notas;

  • O Paraná é ainda o estado com maior número de emitentes, com 67.576 mil emissores, uma diferença de mais de 30 mil emissores com o estado do Rio de Janeiro, segundo colocado;

  • A média de notas emitidas por estabelecimento é de cerca de 1500 notas/mês, ou seja, cerca de 50 notas/dia por CNPJ cadastrado;